terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Treinamento de alta frequência

Seu corpo é uma máquina que adapta-se a demanda imposta sobre ele. E vai fazer de tudo para sobreviver, justamente por isso o que muitas vezes observamos como limites previamente impostos nem sempre são adequados para todas as situações.

Um exemplo muito comum que utilizo para explicar isso para meus alunos é: Imagine um ginasta, ele treina todo o corpo, todos os dias, 6x por semana. Nem por isso ele deixa de desenvolver força e hipertrofia muscular. Obviamente que não estou me referindo a essa frequência como ideal. Mas é importante pararmos de pensar que se eu não der 72hr de descanso de um treino para o outro irei entrar em excesso de treinamento e não irei progredir.

Frequência e Volume
A verdade é que esses dois fatores devem estar em sincronia, por tanto, se você treina com um volume muito baixo, é possível treinar até todos os dias. Por exemplo, um levantador olímpico, treina todos os dias membros superiores e inferiores, mas o treinamento é bem elaborado e isso permite essa frequência. Já um fisiculturista que treina com um volume muito alto precisa de mais tempo, por exemplo 7 dias entre um treino e outro do mesmo grupamento.

Frequência e Intensidade
Se você treina até a exaustão isso causa mais microlesões do que treinar sempre a 50% do seu esforço máximo. Por tanto isso influência no seu tempo de recuperação entre um treino e outro.

Frequência e Capacidade de Recuperação
Da mesma forma que um atleta não começa sua carreira treinando 6x por semana, 2x por dia, você também não pode imaginar que vai começar treinando assim. Vamos imaginar um atleta de qualquer modalidade, ele começa a treinar criança 3x por semana, passa a treinar 5x, passa a treinar 2x por dia 3x por semana, passa a treinar 5x por semana 2x por dia, para então chegar na frequencia de 6x por semana e 2x por dia.
Ou seja, ele treinou o organismo dele para recuperar-se de maneira mais eficiente e também no longo do tempo descobre exatamente como organizar melhor seus treinos, descanso e alimentação.

Frequência x Excesso de movimentos
Da mesma forma que é possível treinar com uma maior frequência de treinos, observamos também algumas falhas em algumas divisões de treinamento, por exemplo, quando pensamos em perna e ombro, peito e bíceps, costas e tríceps. Pois na verdade não é uma questão de alta frequência, mas sim um treinamento que não está bem elaborado gerando muito estímulo, em alta frequência, alta intensidade e alto volume, impossibilitando uma recuperação adequada.

Em todos os treinamentos o mais fundamental é observar sua evolução, ou seja, se você está melhorando no seu objetivo, ou seja, está aumentando sua massa magra, força ou perdendo gordura, é sinal que seu treinamento está dando certo. Caso algo não esteja saindo como planejado reveja seu planejamento.

Abraços e Bons Treinos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário