domingo, 19 de outubro de 2014

Intensidade: solução e também um problema

Quando começamos a treinar normalmente temos uma resposta física impressionante, nossa força aumenta dia a dia, e conseguimos perceber a redução do percentual de gordura e ganho de massa muscular. Após algum período de treinamento esses resultados tendem a diminuir, e consequentemente o aluno vai ajustando seu treinamento para que continue a obter ganhos significativos.
Em um determinado momento o aluno é exposto as técnicas de intensidade (na qual você já deve ter lido muito aqui no meu blog), que vão resultar em uma maior estimulação e gerar grande adaptação novamente. Mas aí mora o problema.



Imediatamente após ser exposto a intensidades mais elevadas você tende a ficar viciado. A partir daquele momento realizar séries simples, parece uma bobagem,  quase como uma série perdida pela "falta" de intensidade.

Quando elaboramos um treinamento temos que pensar em muitos fatores, mas vamos reduzir os fatores as quais essa intensidade vai interferir diretamente.

Hormônios:
Dependendo do tipo de treinamento que realizamos, estamos procurando estimular a produção de alguns hormônios. Mas no momento do treinamento o hormônios que crescentemente vai aumentando é o cortisol, que é altamente catabólico (ajuda na quebra de energia e massa muscular). Isso ocorre pois para seu corpo o treinamento é algo como uma luta de vida ou morte, se você não levantar a barra de supino, você vai morrer, por isso seu corpo precisa de muita energia para "lutar".
Nesse sentido o cortisol vai te ajudar a estar o mais preparado do ponto energético possível, ajudando a produzir energia e se necessário quebrando proteína da massa.
Ocorre que quanto mais intenso o treinamento mais rapidamente esses hormônios se elevam, por tanto se você treina com muita intensidade, você entra nesse estado catabólico mais severo mais rapidamente, justamente por isso a intensidade é inversamente proporcional ao volume.

SNC:
O sistema nervoso central(SNC) é o responsável por "mandar" o sinal para a contração muscular. Normalmente realizar exercícios de baixa intensidade não é um fator estressante significativo, mas quando pensamos no treinamento de musculação, principalmente o treinamento voltado para força (com cargas acima de 5RM) já podemos considerar que necessitamos pensar na recuperação do SNC. Quando falamos de séries de intensidade, estamos realizando um trabalho onde seu corpo não foi exatamente projetado para fazer. E você continuar a exercer esse tipo de demanda no seu corpo, vai gerando cada vez mais fadiga, justamente por isso procuramos não realizar trabalhos nesse nível de intensidade por mais de 3-4 semanas.

Articular:
Todos já sabem que não somente as musculaturas precisam de recuperação mas as articulações também. Uma metáfora interessante é você pensar que seu corpo é uma máquina, mas você não pode trocar as peças, por isso realizar uma manutenção preventiva é obrigatório. Realizar técnicas de intensidade, vai aumentar as forças que a articulação vai sofrer e na maior parte das técnicas vai aumentar o volume de repetições quando comparado com as séries normais(em todas as técnicas menos nas que envolvem isometrias), por isso o desgaste acaba sendo maior, e também é necessário ficar atendo para pequenas lesões que podem se desenvolver pelo excesso de movimentos, como bursites ou tendinites.

Existem milhares de pessoas que nunca realizaram uma técnica de intensidade e tem um exelente desenvolvimento físico, afinal sabemos que não é necessário esse tipo de técnica para desenvolver massa muscular. Elas foram criadas para tentar causar um choque adaptativo e também para promover uma estimulo maior na esperança de que isso resulte em mais hipertrofia. O que não ocorrerá se o estimulo for maior que a recuperação.
Por isso utilize com inteligencia essas técnicas, procurando sempre se preocupar com o descanso tanto quanto com o estimulo.

Abraços e Bons Treinos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário