terça-feira, 27 de outubro de 2015

5 Erros que você comete e não sabe

Existem algumas coisas que fazemos naturalmente e nem paramos para prestar atenção. Isso acaba por tornar os movimentos robóticos, além da falta de foco temos a tendência a repetir sempre os mesmo padrões, ou seja, se você aprendeu errado é muito mais difícil corrigir...ainda mais quando você ainda acredita que é o certo. Vamos ver alguns ponto que você deve estar fazendo errado.


Pegada Mista no terra
Aposto que você usa a pegada mista no terra, uma mão pronada e uma mão supinada, afinal é assim que os grandes levantadores fazem, correto? Quando falamos de cargas máximas (1RM) ou até mesmo competidores, faz pleno sentido investir no modo que levante mais carga, mas quando falamos de estética essa pode não ser a verdade.
Quando fazemos a pegada mista temos um estimulo diferente em cada um dos braços e uma tendência a não distribui a carga igualmente nas pernas e coluna.
Por isso vale a pena trabalhar com ambas as mãos pronadas para evitar esse tipo de problema mesmo que a carga diminua um pouco.

Distância da pegada
Com certeza existem mil formas de variar os exercícios e procurar focar o trabalho mais em uma ou em outra musculatura, mas o que vemos é que para o aluno eventualmente um exercício é sempre o mesmo. Um bom exemplo disso é a rosca direta onde o trabalho muda bastante se realizado com as mãos unidas ou com as mãos muito separadas, um melhor exemplo disso é no agachamento onde afastar as pernas (sumo) mudando o estimulo e a compressão que esse exercício vai gerar em diversas articulações.

Segurar, apoiar e usar straps
Segurar um implemento não é somente a forma de usá-lo, mas é também uma forma de estimular musculaturas importantes do punho e ante-braço, seja para segurar ou para estabilizar a articulação na realização do movimento.
É importante ressaltar então que o mesmo exercício pode ter um benefício extra que muitas vezes é perdido pela utilização de strap ou de uma pegada “frouxa”.

Posição das pernas na barra Fixa
Quando fazemos barra fixa, o objetivo é “passar o queixo da barra”, muitas pessoas aprendem dessa forma e acaba por aí as explicações. Não vou entrar em detalhes da execução, mas uma parte que normalmente é menosprezada são as pernas, consequentemente o aluno acaba por cruzar elas e projetar para trás, o que aumenta a curvatura da coluna se o aluno não manter uma forte contração abdominal.
É melhor ensinar os alunos a manter as pernas estendidas e a frente do corpo, mantendo sempre uma contração abdominal, para posteriormente permitir qualquer mudança nessa posição, aumenta a segurança para a coluna.

Inclinação no banco e posicionamento das costas
Seja no supino inclinado ou no desenvolvimento, o posicionamento do banco é um grande debate. As melhores angulações para realização do supino inclinado são entre 30-45graus, mas é importante falar que essa inclinação é ideal quando o aluno está com toda a coluna apoiada no banco, se o aluno hiperestender a coluna isso muda a angulação!
É importante, portanto não somente escolher a melhor posição do banco mas também escolher o melhor posicionamento corporal em relação ao implemento.


Nenhum comentário:

Postar um comentário