sábado, 3 de outubro de 2015

A fórmula do treinamento

Quando falo de fórmula não vamos falar de como montar um treinamento, como se fosse uma receita de bolo. Mas vamos falar de um aspecto prático que explica(excluindo os fatores genéticos) o porque diferente pessoas precisam de diferentes divisões de treinamento e volume de treinamentos para evoluir.

Todo praticante de musculação já se perguntou "o porquê não consegue seguir o mesmo treinamento que seu amigo e evoluir da mesma forma", obviamente que diversos fatores são importantes, mas eu quero ressaltar um que explica como alguém consegue treinar bíceps 1x por semana e para você o ideal pode ser 2x, ou até 3x!

A grande maioria dos fisiculturistas treina cada musculatura diretamente 1x na semana, isso indicaria que a melhor divisão seria essa, correto? Como tudo na vida: sim e não.
Talvez para eles sim, mas para você talvez não.

Cada treinamento tem como objetivo gerar um estresse local(no músculo) e sistêmico(reservar energéticas, hormônios, etc)
Um atleta profissional tem uma musculatura muito maior, e com isso treinar um músculo "pequeno" já é um grande estresse. Como o estresse do treinamento, vai danificar uma porcentagem das fibras musculares de forma geral o volume de fibras lesionadas e gasto energético serão maiores.
A intensidade gerada no treinamento, volume e frequência são um tripé que não pode ser quebrado. Com óbvias variações entre as pessoas(o que é volumoso para um pode não ser para outro), o treinamento de forma geral vai seguir esses padrões. 

Uma pessoa que gera uma intensidade muito grande no treinamento, algo atingido principalmente por um aumento na tolerância ao desconforto do exercício, será obrigada a reduzir ao menos uma das demais variáveis, como a grande maioria tem medo de treinar "muito pouco" a tendência é reduzir a frequência e não o volume.

Voltando ao tópico do texto, é possível presumir que devemos gerar um estímulo e desgaste em uma quantidade geral X, e dar um tempo de descanso a musculatura proporcional a X.

Mas também possuímos o efeito sistêmico, um atleta profissional treina eventualmente 6-7x por semana, até 2x ao dia, isso faz com o que o corpo dele esteja sempre em estado de recuperação. Fazendo com que ele tenha uma recuperação de cada local "mais lenta" se ele treinasse uma musculatura e ficasse 2 dias sem treinar.

Nesse sentido o atleta teria que possuir um nível de recuperação e tolerância ao estresse cumulativo dos treinamentos elevado, para conseguir se recuperar, supercompensar e não entrar em estado de excesso de treinamento. Tudo isso gerando um estresse local tão elevado que demorasse um longo período para que a recuperação e supercompensação ocorresse em 5-6 dias, para que ele não entrasse em "destreinamento" de cada musculatura visto que ele treinaria diretamente cada musculatura a cada 7 dias ( idealmente nos devemos tentar dar um novo estimulo na musculatura logo que ela acaba de supercompensar).

Nesse sentido é importante entender que você e seu treinador precisam achar a fórmula que funciona melhor para você de acordo com os fatores apresentados nesse texto, levando em consideração sua rotina e individualidade biológica.
Abraços e bons Treinos!


Nenhum comentário:

Postar um comentário