segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Diferentes musculaturas, diferentes treinos

Sabemos que cada pessoa reage de uma maneira a um determinado estimulo na musculação por isso que uma coisa que serve para uma pessoa pode não servir para outra. Mas se uma musculatura sua não reage igual as outras, porquê você continua treinando ela de maneira igual?
Vamos entrar em um território complicado hoje, que é modificar o treinamento de uma musculatura em relação as demais do corpo, digo complicado pois isso implica em entender o porque ela não está reagindo e também que isso pode causar um desequilíbrio muscular.
Temos que entender que se essa musculatura X é dentro de um grupamento é mais fácil de manipular isso. Por exemplo se você precisa aumentar a “largura” das suas costas para ficar com um físico mais em V (costas mais largas em relação a cintura) é fácil de privilegiar as puxadas ao invés das remadas. Então se você fazia:
-Remada fechada
-Remada aberta
-Puxada supinada
-Puxada aberta
Ou seja 2 movimentos para cada e começando pelas remadas, você pode aumentar as puxadas e começar por elas:
-Barra fixa Peg. Neutra
-Puxada aberta
-Puxada supinada
-Remada aberta
Isso com certeza vai priorizar as musculaturas que estamos querendo.
Mas vamos supor que suas costas de maneira geral não está respondendo, e você está progredindo em todo seu corpo, mas suas costas estão ficando muito para trás. O que fazer?
Meu primeiro conselho é olhar para o seu braço. Se ele está muito desenvolvido você pode estar transferindo muita da tensão das remadas e puxadas para eles, afinal é “fácil” fazer esses movimentos errados e mais curtos, o que vai aumentar os estímulos nos braços e diminuir os das costas.
Mas vamos supor que seu caso é realmente suas costas que não estão reagindo, isso é perfeitamente normal! Sim, você não é perfeitamente simétrico e nem tem que reagir “por igual” em todo seu corpo.
É preciso analisar quais alternativas você vai seguir dependendo do seu treinamento, se você treina 1 ou 2x por semana, se você treina com alta intensidade ou com alto volume e a partir daí decidir qual caminho tomar.
Mas vamos ser práticos e colocar alguns exemplos.
Um ponto que acho valido é falar sobre o aumento de volume, normalmente em algumas musculaturas (como costas e pernas), é preciso aumentar um pouco o volume do treinamento. Quando você faz 3 exercícios para peitoral, seja quais exercícios você escolher (inclinado, reto, declinado, etc.) vai acabar estimulando seu peitoral por inteiro. Já em um treino de costas se você faz uma remada aberta, vai acabar estimulando mais trapézio, romboides, redondo menor, redondo maior e posterior de ombros, e menos o latíssimo do dorso (em relação a uma puxada por exemplo). Por isso eventualmente é preciso colocar 1 ou 2 exercícios a mais.
Se você já faz um treinamento volumoso, é preciso analisar se a estratégia global está funcionando, por exemplo se você treina costas em um dia que você já esteja fadigado (sexta-feira) ou se você está fazendo um volume excessivo. Outra possibilidade é se a intensidade está muito baixa ou excessiva. Modificar esses quesitos também é valido e eventualmente suas costas podem não suportar o volume ou intensidade muito elevadas e você precisa literalmente ir com mais calma, diminuindo o volume ou treinamento de maneira intensa (mas sem passar da ponto de fadiga concêntrica por exemplo).
É importante por tanto realizar alterações no seu treinamento de maneira progressiva e sempre observar se essas alterações estão sendo produtivas, e modificar sempre que necessário.

Abraços e Bons Treinos!


Nenhum comentário:

Postar um comentário