terça-feira, 22 de março de 2016

Você faria o melhor treino do mundo?

Vamos supor que eu te ofereça o melhor treinamento do mundo, você com certeza iria querer fazer não é verdade? Eu aposto que não.

A grande verdade é que não existe melhor treinamento do mundo, existem dezenas, centenas e milhares maneira de desenhar um treinamento e com certeza diversas dessas formas vão proporcionar ótimos resultados para você, o que também não quer afirmar que aquele seja o melhor treinamento para todo mundo, pois todo mundo é diferente.

Mas o ponto que eu quero focar hoje é na procrastinação.

Não necessariamente somente no sentido de adiar o inicio da atividade ou de pular um ou outro treinamento, mas sim que eventualmente você toma decisões ruins durante o treinamento e acaba se auto-sabotando.

É interessante observar que fazemos diversas pequenas escolhas no nosso treinamento durante o próprio treino. Se vamos manter, diminuir ou aumentar o peso. Se vamos mudar um pouco a ordem dos exercícios. Se vamos fazer alguns exercícios a mais. Se vamos fazer algumas séries a mais, etc.

De forma interessante vejo que existem duas polarizações:
-Quem faz menos
-Quem faz mais

Uma minoria esmagadora é a que faz o prescrito ou o elaborado, digo isso pois observo uma tendência em modificar as coisas, afim de tomar elas sempre "melhor" (como colocado no início do texto ele se quer existisse).

Realizar menos trabalho do que o prescrito, seja diminuindo séries, carga, repetições, exercícios, é apostar que um mínimo é suficiente para obter resultados, mas é preciso saber que se você faz tudo com 50% de intensidade, você não vai obter 50% dos resultados.
Existe uma faixa de estimulo que você tem que alcançar, e falando em sobrecarga como exemplo se o estímulo for muito fraco ele é o que chamamos de estímulo débil, ou seja, que não gera adaptações.

Mas minha maior preocupação é o que faz mais, esses alunos querem obter resultados e estão dispostos a treinar de maneira intensa e séria. Mas a vontade é muito grande e supera até a racionalidade. São os alunos que podem passar 2 hrs na academia faz 15 exercícios diferentes e acreditar que poderiam fazer mais.

O objetivo do treinamento não é "destruir" suas fibras musculares e sim gerar um estímulo nelas, esse estimulo passa por gerar pequenas micro-lesões, mais também por criar um ambiente local e sistemico propenso a adaptações. Por isso essa noção de "sem dor, sem ganho" pode acabar sendo mais prejudicial que benéfica.

Isso tudo volta a refletir na ideia de que o treinamento precisa ser planejado com períodos de treinamentos muito intensos e períodos de descanso planejado. Esse tipo de planejamento não é somente para atletas de ponta, mas também para quem quer somente treinar para se sentir bem e estar saudável, pois evita lesões e mantém seu corpo em um constante estado de adaptação.

Não existe treinamento ideal, mas com certeza é necessário analisar com frieza o que se está fazendo na academia, pois eventualmente o problema não é o treinamento mas sim nossa abordagem em relação a ele.

Abraços e Bons Treinos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário