terça-feira, 12 de julho de 2016

Planejamento e execução do treinamento

Hoje vou falar um pouco mais sobre um aspecto interessante que tenho reparado, o porquê algumas pessoas tem melhores resultados com um treinador do que eventualmente treinando sozinhas?

Obviamente que ao fazer essa comparação seria injusto comparar alguém que tem um treinamento bem planejado de alguém que faz qualquer treinamento que ela mesmo elaborou, pois por mais cautela e instruída que a pessoa seja (esperamos) que o treinador saiba como elaborar um treinamento melhor.

Mas o ponto que quero chegar não é esse e sim o porquê o treinador ali do lado faz essa diferença, seria ele mágico? Ou ele faz algo quando está dando o treinamento que somente se fizesse o planejamento não faria?

Existe aí então 2 verdade.

A primeira que o treinador ali só faz você realmente cumprir o planejado. Simples assim. O treinador faz você fazer as repetições que tem que fazer, com o peso que tem que fazer e com o intervalo que tem que fazer. Não existe mais 1-2 minutinhos de descanso, não existe parar no meio da série, ou seja, sendo ele um carrasco ou não ele acaba te obrigando a cumprir com o treinamento.

Isso parece bobagem, afinal você pode me dizer que você também cumpre o treinamento adequadamente, o que pode ser verdade, mas você é uma minoria. A grande maioria acaba também se beneficiando da segurança que o treinador (ou qualquer companheiro por perto) te da para arriscar um pouco mais, tentar fazer uma repetição a mais.

A segunda verdade é algo que você pode trabalhar. O treinador tenta através da observação da sua perfomance no treinamento fazer pequenas modificações, afim de aprimorar o treinamento para as suas capacidade física e mentais naquele dia.

Se você teve uma noite mal dormida não adianta querer colocar mais peso no terra ou agachamento que a chance de lesão só aumenta, se a qualidade dos movimentos começou a cair é melhorar parar do que fazer os movimentos de maneira incorreta, esse é o ponto de autorregulação que você tem que procurar desenvolver em você.

Mas não basta utilizar esse principio apenas para diminuir seu treinamento, existem momento que você você pode simplesmente estar voando no treinamento e se aproveitar dessa facilidade momentânea que pode ter sido ocasionado por um aumento na ingestão de alimentos ou até por uma melhora do seu perfil hormonal é válido.

Alguns pontos importantes:

-Retirar um exercício no seu treinamento é quase um crime, só faça isso em último caso.
-Fazer modificações é aceitável (trocar um agachamento livre por um agachamento no smith)
-Reduzir o número de repetições por não conseguir realizar as previas é ok.

-Aumentar o número de repetições ou carga, mas sempre levar a fadiga.
-Aumentar o número de séries é válido, mas evite na maioria dos casos.
-Aumentar um exercício é totalmente proibido, isso da margem para aumentos muito grandes de volume e nenhum controle sobre a progressão.

-Modificações na velocidade de execução são neutras nesse aspecto, pois é possível considerar uma aumento na dificuldade tanto aumentando a velocidade da fase concêntrica (levantando a carga) quanto reduzindo a velocidade da fase excêntrica (descendo a carga).

A mensagem é que o treinador desempenha um papel importante, principalmente na orientação da execução correta e principalmente do planejamento, mas ele ali do seu lado o tempo todo tem um papel secundário nos seus resultados.

Abraços!

Nenhum comentário:

Postar um comentário