segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Vale a pena fazer exercícios isométricos?


Quando falamos de treinamentos e variações normalmente pensamos em séries, repetições, mas muitas vezes esquecemos da velocidade de execução e dos exercícios isométricos. Hoje vamos falar sobre quando utilizar exercícios puramente isométricos.
Os exercício podem ser realizados de 2 formas, Dinâmica ou Isométrica, a forma isométrica é quando ocorre a contração muscular mas não ocorre mudança na angulação da articulação.
Esse tipo de exercício tem como benefício o menor desgaste articular  e maior capacidade de suportar carga (é mais fácil realizar uma isometria do que fazer o movimento dinamicamente).
Os grandes contras é que ele propicia menos microlesões na musculatura(ruim para hipertrofia), mas tem uma maior ativação máxima bom para ganhos de força mas esses ganhos de força são específicos para aquela angulação, em resumo você só vai ganhar força em 15 graus para mais e para menos da posição que a articulação está, sendo então necessário fazer pelo menos 3 posições diferentes para um total estímulo.
Para você que quer perder gordura corporal fazer movimentos dinâmicos é superior, mas os exercícios isométricos podem ser utilizados com sucesso da mesma forma que quem busca hipertrofia.
Para hipertrofia então somente os exercícios isométricos não resolvem, mas a combinação deles com os dinâmicos pode ser uma poderosa arma para desenvolver mais as musculaturas.

Como sabemos o processo de hipertrofia envolve um aumento progressivo na sobrecarga colocada nas musculaturas, um fator importante nessa sobrecarga é o tempo sobretensão que colocamos nela, quando tempo deixamos a musculatura X executando o movimento sem relaxar.

Podemos utilizar então os exercícios isométricos de 3 maneiras diferentes:

1 - no final da série
2 - no início da série
3 - no meio da série


Você com certeza já viu a opção 1, é uma técnica de intensidade muito utilizada, ao final da série você mantém a posição de contração (normalmente no final do movimento) pelo máximo de tempo que puder. Isso vai aumentar o tempo sobre tensão da musculatura e permitir uma contração máxima das fibras dessa musculatura.

A opção 2 é menos utilizada mas pode ser feita com uma carga elevada a isometria em seguida reduzir a carga e fazer de maneira dinâmica, ou de forma sub-máxima (digamos 20-30seg) e em seguida realizar de forma dinâmica. A opção 2 é boa para quem não pode por algum motivo trabalhar com cargas elevadas no determinado movimento.

A opção 3 é a mais curiosa, pois mescla a opção 1 e 2, ela alterna os movimentos isométricos e dinâmicos, muito utilizada em movimento isolados como rosca direta ou elevação frontal, onde realizada de maneira alternada o braço que não está realizando o movimento não fica na posição de relaxamento mas sim na posição de contração final!

Essas variações na utilização da isometria vai permitir você a utilizar essa técnica para melhorar não somente sua força, mas o volume muscular e também o gasto energético do seu treinamento. Lembre-se de utilizar com cautela pois aumenta muito a intensidade do treinamento.
Abraços e Bons Treinos!


Nenhum comentário:

Postar um comentário