segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Variações de exercícios: o porquê você não precisa, mas deve!

Uma das perguntas que mais ouço é se um determinado exercício trabalha todas as fibras daquela musculatura quando levamos ela a fadiga, porquê necessitamos realizar outro? E porquê trocamos os exercícios que realizamos? Vamos entender...

Primeiramente é importante falar que isso tem um fundamento tanto teórico quanto lógico.

Vou começar pelo lógico, você já viu alguém a muito tempo na academia só fazer os mesmos exercícios, sem nunca variar? NÃO? Isso não é porquê elas não existem, mas é porquê as pessoas que nunca variam simplesmente saem da academia.

Executar movimentos repetitivos (como os da musculação) eventualmente se torna muito monótono e sem estímulo PSICOLÓGICO para os praticantes, digamos que para o praticante a periodização do treinamento é como um alívio, um estímulo para o praticante.

Essa é uma grande explicação do sucesso do crossfit a constante variedade coloca o praticante em uma constante expectativa para o treinamento, fazendo ele sempre estar sendo exposto a  novos estímulos.

Mas você muscularmente falando precisa fazer movimentos diferentes? A verdade é que não. Quando fazemos um supino reto até a fadiga acabamos ativando as fibras claviculares (porção superior) e quando fazemos um supino inclinado até a fadiga acabamos ativando as fibras esternais (porção média-inferior).

Mas simplesmente ativar não quer dizer que estamos estimulando ao máximo, pois nos movimentos multi-articulares algo vai entrar em fadiga antes!
Se você faz um supino reto, não imagine que seu peitoral, ombros e tríceps vão fadigar ao mesmo tempo, algo vai ceder antes.

Isso é fundamental para que você consiga um bom desenvolvimento corporal, mas também que evite desvios posturais. Vamos interpretar que somente 1 movimento para costas seja suficiente. Qual você vai escolher? Uma barra fixa ou uma remada? Esse movimento seria com a pegada aberta ou fechada?

Sua resposta provavelmente foi uma barra fixa com pegada fechada ou uma remada com a pegada fechada. Isso é natural pois você vai priorizar o movimento que imagina ter mais ativação e portanto ser o melhor.

Mas como faríamos somente 1 movimento, não teríamos nenhum movimento com pegada aberta, isso poderia facilmente resultar em uma rotação interna de ombros, pela falta de movimentos compensatórios para a adução dos ombros (movimento para o peitoral como supino reto).

Em resumo, por mais que tudo indique que você não precisa variar os movimentos e que um volume pequeno pode ter bons resultados, você ainda vai ser obrigado a utilizar um mínimo de volume para estimular todas as musculaturas de forma excelente e evitar lesões futuras.

Abraços e Bons Treinos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário