sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Treino funcional ?

Essa é uma dúvida constante para a maior parte da população e para boa parte dos profissionais. O que exatamente é treinamento funcional? Essa definição é importante para saber se o treinamento funcional é a melhor opção para você e como incluir exercícios funcionais no seu treinamento.

O treinamento funcional é uma "modalidade" similar a musculação que pode utilizar os aparelhos tradicionais de musculação ou não, existem alguns equipamentos específicos para o treinamento funcional como: bolas, elásticos, escadas, kettlebells, etc.


Mas para que serve?
O treinamento funcional por definição é um treinamento que vai lhe deixar pronto para as necessidades da vida diária, então se você for um atleta, irá lhe preparar para o seu esporte. Se for uma dona de casa lhe deixará preparada para executar e lhe deixar físicamente bem e alcançar o objetivo que você desejar(hipertrofia, força, definição, emagrecer, etc..).
Mas porquê o treinamento funcional é melhor ou pior que a musculação?
A grande diferença da musculação é que o treinamento funcional engloba uma série de aspectos que se preocupam desde a saúde da sua articulação até que o seu resultado venha o mais rápido possível.

Com a grande variedade de exercícios que o treinamento funcional proporciona é possível elaborar diversos tipos diferentes de treinos, fugindo um pouco da monotonia de executar sempre o mesmo treinamento todos os dias, e ainda assim, respeitando uma progressão e periodização.


A outra grande vantagem é que por trabalhar com movimentos naturais do corpo o treinamento funcional, fortalece seu corpo como um todo, lhe dando autonomia, ou uma "força funcional" que é mais facilmente transferida para outras modalidades. Por exemplo ao pensar em fortalecimento de membros inferiores você só teria opções de agachamentos, afundos ou terras para realizar no treinamento funcional, ao contrário de pensar em movimento isolados. Apesar de parecer que isso limitaria o treinamento, essa abordagem procura pensar que se precisamos estimular uma musculatura é melhor colocar ela sobre o estresse que ela naturalmente foi desenhada para realizar.

Ao abordarmos dessa forma parece que o treinamento funcional muito racíonal e parte mais próxima da musculação tradicional. A utilização de movimentos adaptados é onde surge o problema.

O treinamento funcional passou por diversas fases até amadurecer no que é hoje, com o passar do tempo deixou de ser focado em movimentos instáveis, passou a incorporar exercícios do levantamento olímpico e calistenicos. Porém os movimentos adaptados estão lá desde o começo, e apesar de muito criticados continuam sendo realizados.

Os movimentos adaptados dizem a respeito de colocar o aluno na prática de um exercício de forma a proximar o modo que ele treina esse exercício na academia da forma que ele quer utilizar aquela musculatura.
Por exemplo um lutador de jiu-jitsu luta segurando no kimono, então faz sentido amarrar o kimono na barra fixa e fazer ele realizar o movimento segurando no kimono. Dessa forma ele trabalha uma musculatura que ele usa na luta de forma mais especifica e trabalha musculaturas que serão solicitadas na luta que não seria trabalhadas dessa forma na musculação tradicional (musculaturas responsável pela pegada no kimono).
O único problema dessa abordagem é que esse tipo de técnica acaba não conseguindo englobar todos os esportes ou acaba realizando movimento de forma errada. Um ótimo exemplo é o soco no boxe, não adianta querer fazer o movimento segurando pesos pois além de não fortalecer as musculaturas usando o vetor certo, acaba por colocar muito estresse na articulação.

Em resumo, é fundamental englobar movimentos funcionais, juntamente com movimentos tradicionais, para estimular as musculaturas e garantir a segurança na prática esportiva.

Abraços e bons treinos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário